Comunicação Política Eleitoral (30h) (Serpa, 2014 2)

Marketing e valor (Kotler, 1997)
11/05/2014
Eleições e espetáculo na América Latina (30h) (Serpa, 2014 2)
11/05/2014

ESCOLA DE COMUNICAÇÃO DA
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO
COMUNICAÇÃO POLÍTICA ELEITORAL (30h)
Segundas-feiras – 9h20 às 10h50 (segundo tempo)
Professor: Marcelo Serpa

EMENTA:

COMUNICAÇÃO POLÍTICA ELEITORAL (30h) – estudo da aplicação das técnicas de comunicação e propaganda aos processos político e eleitoral e no planejamento de campanhas eleitorais.

BIBLIOGRAFIA:

I. INFORMAÇÃO FUNDAMENTAL. OBRAS DE REFERÊNCIA.

BOBBIO, Norberto et al. Dicionário de Política. Brasília: Un. de Brasília,
1986. 1328 p.

DOMENACH, Jean-Marie. A Propaganda Política. São Paulo: Difusão Européia, 1963. 133 p.

LAZARSFELD, Paul Felix et al. The People’s Choice. N.York: Columbia U., 1948. 178 p.1.4

NICOLAU, Jairo. História do Voto no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2002. 79 p.

PORTO, Walter Costa. Dicionário do Voto. Brasília: Edit. Univ. de Brasília, 2000. 475 p.

 

II. INFORMAÇÃO CIRCUNSTANCIAL. SEMINÁRIOS.

PACHECO, Cid et.al. (org.). VOTO É MARKETING ? (I). Rio de Janeiro: UFRJ, 1995. 255 p. (15 conferencistas).

PACHECO, Cid et.al. (org.). VOTO É MARKETING ? (II). Rio de Janeiro: Irradiação Cultural / UFRJ, 1998. 156 p. (11 conferencistas).

 

III. OBRAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS, ESTUDOS DE CASOS, MANUAIS DE MARKETING ELEITORAL

FIGUEIREDO, Ney Lima. Direto ao Poder. Campinas: Cartograf, 1985. 146 p.

GADELHA, Hayle. Diário de Campanha. Eleição de Anthony Garotinho. Governador do Estado do RJ. Rio de Janeiro: Internad, 1998. 64 p.

GRANDI, Rodolfo et al. (org.). Voto é Marketing: o resto é política. São Paulo, Loyola, 1992.

KUNTZ, Ronald A. Manual de Campanha Eleitoral. São Paulo: Global, 1986. 259 p.

MANHANELLI, Carlos Augusto. Eleição é Guerra. São Paulo: Summus, 1992. 115 p.

—– Marketing Pós-Eleitoral. São Paulo: Summus, 2004. 118 p.

MENDONÇA, Duda. Casos & Coisas. São Paulo, Globo, 2003. 293 p.

MONTEIRO, Geraldo Tadeu Moreira (Org.). Manual Prático de Campanha Eleitoral. Rio de Janeiro: Gramma, 2004. 394 p.

 

IV. OBRAS CONCEITUAIS GENERALISTAS. TEORIA ABRANGENTE.

BALANDIER, Georges. O Poder em Cena. Brasília: Un. de Brasília, 1982. 78 p.

BAUDRILLARD, Jean. À Sombra das Maiorias Silenciosas. São Paulo: Brasiliense, 1985. 86 p.

GABLER, Neal. Vida, o Filme. São Paulo: Cia. Das Letras, 1999. 291 p. (Atenção especial ao Cap. 3, “O Efeito Secundário”. Enfoque na Política)

MAFFESOLI, Michel. A Transfiguração do Político. Porto Alegre:  Sulina, 1997. 304 p.

SCHWARTZENBERG, Roger-Gérard. O Estado Espetáculo. Rio de Janeiro: Difel, 1978. 150 p.
(Personagens, Espetáculo, Público).

 

V. OBRAS DE NATUREZA HISTÓRICO-CULTURAL

BURKE, Peter. A Fabricação do Rei. Rio, Zahar, 1994. 254 p.

SHAKESPEARE, William. Júlio César (Ato III Cena II). Trad. Carlos de Lacerda. Rio de Janeiro: Record, 1965. 100 p.

 

VI. OBRAS JORNALISTICAS. TESTEMUNHAIS E DEPOIMENTOS. DESCRIÇÃO DE CASOS.

EXPEDITO FILHO, B. dos Santos. Crônica de uma Vitória (Campanha Fernando Henrique). Eleições Presidenciais de 1994. Nos Bastidores da Política. Rio, Objetiva, 1994. 148 p.

MEDEIROS, Alexandre. Crônica de um Sonho (Campanha Lula). Eleições Presidenciais de 1994. Nos Bastidores da Política. Rio, Objetiva, 1994. 210 p.

COUTTO, Francisco Pedro do. O Voto e o Povo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966. 113 p.

MAIA, César. Política é Ciência. Série Quem é. Rio de Janeiro: Revan, 1998. 246 p. (este livro é resultado de 18 horas de entrevistas gravadas com o ex-prefeito do Rio de Janeiro, em que participam a escritora e antropóloga Alba Zaluar, a escritora e historiadora Maria Alice Rezende de Carvalho, os jornalistas Maurício Dias (Jornal do Brasil),Luiz Erlanger (diretor editorial da Central Globo de Jornalismo), e o arquiteto Jayme Zettel. Através de seus depoimentos, o leitor poderá entender os métodos e as técnicas deste político controverso, além de conhecer as ideias do homem que administrou uma das cidades mais importantes do mundo. César Maia responde com facilidade e audácia questões como pena de morte, aborto, uso de drogas ou religião, não deixando perguntas sem respostas. Política é ciência é o sétimo volume da série Quem é).

NEUMANNE, José. Atrás do Palanque. Bastidores da Eleição 1989. São Paulo: Siciliano, 1989. 175 p.

 

VII. ELEIÇÕES NA AMÉRICA LATINA E ESTADOS UNIDOS.

SERPA, Marcelo. Eleições espetaculares. Rio de Janeiro: Contra Capa / Faperj, 2013. 208 p.

JAMIESON, Kathleen Hall. Packaging the Presidency. New York: Oxford Un. Press, 1992.

McGINNISS, Joe. The Selling of the President 1968. New York: Trident Press, 1969. 253 p.

PAOLOZZI, Vitor. Murro na Cara: o jeito americano de vencer eleições. Rio de Janeiro: Objetiva, 1996. 253 p.

SÉGUÉLA, Jean Jacques. A Vertigem das Urnas. São Paulo: Tag&Line, 2007.

WHITE, Theodore H. The Making of the President. New York: Atheneum, l961.

 

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA A DISCIPLINA:

Ficha de Registro de Trabalho Prático

Trabalho Final: Briefing

Comunicação em Política

 

AVALIAÇÃO

Trabalho Prático de Avaliação

1. Definição: Seminários condensados e sumários constantes de uma série organizada de exposições dos alunos, em grupos, sobre o tema Comunicação Eleitoral.

2. Objetivos: a) Organizar os alunos em grupos de leitura analítica e interpretativa de livros básicos, especializados e relevantes para o estudo do tema Comunicação Eleitoral; b) Propiciar à turma, como um todo, o conhecimento desses livros, através da exposição condensada de cada publicação, pelo respectivo grupo-leitor; c) Conseguir, assim, que a turma tome conhecimento, ainda que sumário, desses livros básicos e se a estimule à sua posterior leitura individual.

3. Instruções: Serão observados os seguintes procedimentos: 3.1) O trabalho será realizado em grupos de até 5 (cinco) alunos, a depender número total de alunos na turma; 3.2) Cada grupo escolherá, por consenso (ou sorteio), o livro a resumir. Ou dentre os indicados na lista anexa, ou dentre outros, de sua livre escolha, fora da lista, desde que estritamente concernentes à Comunicação Eleitoral; 3.3) Da leitura e estudo, em grupo, do livro escolhido, os alunos produzirão um resumo seletivo, i.é, centrado no objetivo do Seminário; 3.4) O resumo se fará pela concentração nos aspectos estritamente concernentes aos mecanismos e/ou conceitos específicos da Comunicação Eleitoral. Outros aspectos do Processo Político-Eleitoral, não concernentes à sua Comunicação, não se constituirão em objeto principal do resumo; 3.5) O resumo será exposto pessoalmente, pelo grupo, diante da turma, no formato convencional, a saber: Para cada grupo expositor: a) Até 20 minutos de relato (exposição central) que pode servir-se de recursos auxiliares, livremente; b) Até 10 minutos de respostas a perguntas e debates suscitados pelos alunos assistentes, i.é, dos outros Grupos, formal e ordenadamente. Cada grupo expositor coordenará a logística do seu próprio segmento; 3.6) Os resumos escritos devem restringir-se a, no máximo, até 10 (dez) laudas digitadas em corpo 12, podendo usar linguagem esquemática, quadros sinópticos etc, visando constituir-se mais num guia ou índice referencial do que, a rigor, num texto expositivo contínuo; 3.7) Os micro-seminários serão realizados ao final do Curso, em 2 (dois) dias sucessivos, a serem fixados oportunamente, em apresentação formal, em auditório apropriado; 3.8) Os graus de avaliação serão atribuídos pelo professor da disciplina, ou por outro(s) professor(es) da ECO, por ele indicado(s), que constituirão uma banca examinadora; 3.9) Os grupos deverão apresentar o seu resumo por escrito posteriormente (até 7 dias após sua exposição); 3.10) Serão objetos de avaliação, não apenas o conteúdo da exposição, mas também a qualidade formal da apresentação.

 

_________________________________________________________

iCPMS Comunicação / Marcelo Serpa – Desde 1993
Av. Treze de Maio, 45 Sala 1503 – Centro
20.031-007 – Rio de Janeiro, RJ
E-mail: ms@marceloserpa.com.br 

Tel: 55 21 98275-5555