Um novo Socialismo (Pacheco, Serpa, 2006)

Vivendo em outro mundo: estéticas publicitária (Cid Pacheco e Marcelo Serpa, 2006)
10/12/2006
UN Nuevo Socialismo (Pacheco, Serpa, 2006)
14/12/2006
Show all

Para entender o Socialismo Bolivariano de Chávez na Venezuela

 

Versão em Espanhol (Venezuela)

UM  NOVO SOCIALISMO

PACHECO, Cid. SERPA, Um novo Socialismo. Caracas: CPMS, 2006

Assim como a Política e as Eleições são uma forma de “guerra”, os comunicadores sociais são uma espécie de “guerreiros”. E,  portanto, têm sua arma própria:

A Palabra!

Escrita, impressa, falada, cantada, gritada na praça, grafitada no muro,  ampliada pelos meios  de  massa – ou  apenas sussurrada na clandestinidade – a palavra tem a força essencial e o poder mágico  de conduzir aos homens, orientar as sociedades, mudar o mundo.

A  PALAVRA  SOCIALISMO

Ao longo das décadas, no século XX,  uma  infinidade  de pesquisas comunicacionais, vocabulários, semânticas  –  e,  inclusive políticas de focalizaram as palavras Socialismo, Socialista e suas derivadas imediatas.

O interesse pela palavra cresceu, natural e proporcionalmente à importância que o Socialismo foi ocupando no mundo.

Por circunstâncias históricas, o sistema passou por muitas mutações e se apresentou com as mais variadas configurações, no espaço e no tempo. Sob o rigor científico, deveríamos falar em “Socialismos”, no plural.

Assim é que a ciência lingüística classifica o Socialismo como uma polissemia – ou seja, uma palavra com“vários significados simultâneos”, positivos uns, negativos outros.

SOCIALISMO: SIGNIFICADOS DUROS E LEVE

Circunstâncias históricas transcendentais fizeram que, em certos países e épocas, alguns regimes socialistas assumissem formatos autoritarios, pouco democráticos, e até opressivos, “policialescos”.

Assim é que a palabra Socialismo ganhou um significado de dureza, ameaça e medo, que a propaganda política antisocialista sempre soube explorar, difundir e generalizar.

Obviamente, o opuesto também ocorreu e a palabra também desenvolveu significados “leves”, positivos,  promissores,  desejáveis, conformes as características especiais do respectivo regime.

O fato é que Socialismo permanece como uma palavra polissêmica: cada pessoa projeta na palabra sua própria percepção interior de o que é Socialismo, reflexo de sua vivência com o regime, ou o assunto.

Na verdade, nenhum singular pode definir essa pluralidade que atende a uma mesma e única palavra de ordem.

Cada nação, povo, sociedade, regime político que se autodenomina Socialista exerce, de fato, um Socialismo próprio com características específicas, que o definen como unidade inconfundível, integrada num sistema de similares que, entretanto, são todos diferentes entre si.                                                                                             

O PROJETO VENEZUELANO

O Presidente Chávez afirmou, várias vezes, publicamente, que o Socialismo Venezuelano  – “do Século XXI” – não se confunde com outros, porque cada nação constrói o Socialismo que melhor lhe convém, conforme a sua alma nacional.

Assim é que o projeto venezuelano foi definido, explicitamente, como Socialista, Bolivariano e Chavista.

Tal  definição,  ainda que formalmente exata, carece de uma forma expresiva mais popular, simples e espontânea: uma síntese emocionante do conceito essencial do Socialismo Chavista, que permita sua compreensão imediata pelo homem comum do Povo.  Que  facilite, ao mais simples dos cidadão, a percepção instantánea  da diferença entre o Socialismo Bolivariano e os “outros socialismos”.

A DIFERENCIA ESPECIFICA DO SOCIALISMO CHAVISTA

Em setembro, quando se iniciou o último trimestre da Campanha Eleitoral, o Presidente Chávez  teve uma aguda e sensível percepção comunicativa, ao adotar, como eixo de sua retórica,  o tema “Mensagem de Amor ao Povo da Minha Venezuela”,  que  lhe foi  proposta por sua Consultoria Científica de Comunicação Eleitoral, e que inmediatamente empolgou ao eleitorado, ou melhor, ao povo venezuelano, lato sensu, em não mais que três dias.

A difusão espontânea imediata, intensa e extensa, do conceito “Amor”, por toda a população, foi extraordinariamente rápida e profunda.

Sua permeabilidade y ávida absorção pela massa popular, é um indicador seguro da existência de uma predisposição natural para  aceitar o Amor como palavra-força, tema central e conceito político.

Trata-se de um típico caso de atendimento de uma“Encomenda Social”: foi como se o Povo da Venezuela tivesse sido tomado por uma necessidade incontida de dar e receber amor, e o Presidente tivesse percibido, e atendido a essa “encomenda”, sem hesitação.

CHAVISMO: O SOCIALISMO QUE O POVO ENTENDE

O extraordinário sucesso da “Mensagem de Amor ao Povo da Minha Venezuela”, abriu um canal de Comunicação, grande e rico.

Trafegando por ele, chegamos a um conceito verbal que transcende aos altos saberes da Teoria Política, e permite, aos níveis mais populares das bases da Sociedade, identificar e compreender, com  nitidez – e instantaneidade – o que é o Socialismo Chavista, em sua essência vital mais profunda:

O SOCIALISMO… COM AMOR!

Com este recurso criativo publicitário, se alcança uma feliz e eficaz associação de ideias e sentimentos que integra e unifica, num denso e intenso conceito, a persona de Chávez, seu status de  Presidente, sua ideologia Socialista, seu ideal Bolivariano, sua luta pelo Povo e seu sonho de uma Venezuela para todos.

E tudo isso pelo simples acrecentar de uma palavra de apenas quatro letras mas de significado infinito: AMOR.