Valores

AAPC

Todo associado à AAPC
é convidado, anualmente,
a assinar o Código de Ética
e viver e trabalhar segundo
os padrões nele estabelecidos,
como condição de participação
na organização.

 


CÓDIGO DE ÉTICA DA AAPC

Como associado à Associação Americana de Consultores Políticos creio que há certos padrões de prática que tenho que manter. Portanto, comprometo-me a respeitar o seguinte Código de Ética Profissional:

  1. Não participarei de quaisquer atividades que possam corromper ou degradar a prática da consultoria política.
  2. Tratarei colegas e clientes com respeito sem jamais ferir intencionalmente suas reputações pessoais ou profissionais.
  3. Honrarei a confiança dos meus clientes, jamais revelando informações confidenciais ou privilegiadas eventualmente obtidas.
  4. Jamais utilizarei apelos baseados em racismo, sexísmo, intolerância religiosa ou qualquer forma de discriminação ilegal, condenando aqueles que se utilizem de tais práticas. Trabalharei pelos direitos igualitários de voto e privilégios para todos os cidadãos.
  5. Reprovo quaisquer ataques falsos ou enganosos sobre um adversário ou membros de sua família e farei tudo ao meu alcance para impedir que outros usem tais táticas.
  6. Documentarei com precisão e totalmente qualquer crítica a um adversário.
  7. Serei honesto na minha relação com a imprensa ao responder com franqueza às perguntas, quando tiver autoridade para tal.
  8. Aplicarei os recursos dos clientes, ou recebidos em nome deles, unicamente nas finalidades por eles expressamente estipuladas.
  9. Desaprovo qualquer indivíduo ou organização que recorra a práticas proibidas por este código.

 

 

ABCOP2Padrões

de

Conduta

Ética

do

Consultor

Político

 

A ABCOP – Associação Brasileira de Consultores Políticos, reunida em sua assembleia geral ordinária em 29 de abril de 2016, aprovou resolução que recomenda aos seus associados, Consultores Políticos e a todos os profissionais que exerçam atividades ligadas à formulação, execução e produção de ações ligadas ao marketing político e eleitoral, a livre aceitação e adoção dos conceitos e práticas, a seguir:

 

  1. Fundamentos
  • Os conceitos de Ética e Política, definidos como atividades em benefício da sociedade e do bem comum, sobre qualquer outra proposta.
  • A democracia como a melhor forma de se praticar a Política com Ética
  • O reconhecimento que nossas atividades profissionais se relacionam e se complementam com várias outras nos campos do marketing e das comunicações de marketing

Em função do enunciado anterior, reconhecemos, aceitamos e praticamos (no que for aplicável), as recomendações e normas éticas já adotadas pelas diversas entidades e associações representativas dos profissionais dos diversos campos de atividades relacionadas (ABM, AMPRO, APP, ABMN, ABIPEME, CONAR, ABAP, ABEND, CENP, SINAPRO, e outras).

 

  1. Respeito/obediência às leis

Sem exceções ou tergiversações. Em todos os níveis e jurisdições.

Mas também sem abandonar a ação política e cidadã em lutar permanentemente pelo aprimoramento e modificações que entendermos favorecerem o processo político/eleitoral, em benefício da sociedade, da democracia e na defesa da liberdade de expressão.

 

  1. Respeito à verdade

Nossas atividades, ações e desempenho profissional não deverão induzir ninguém a erro, dano ou engano sobre o real propósito, políticas ou político que estivermos promovendo, e também, aos seus opositores.

 

  1. Busca permanente do bem comum da sociedade. Atuação republicana

O marketing político/eleitoral e as ações de consultoria prestadas são instrumentos da atividade política e como tal, a serviço dela.

Deve, portanto, resultar sempre em atividades e ações que beneficiem os objetivos específicos do cliente, sem perder de vista o conjunto da sociedade.

 

  1. Transparência/Responsabilidade/Prestação de contas (accountability)

Os consultores de marketing político (e suas empresas) não podem se eximir da prestação de contas segundo as leis e normas vigentes (em especial, as emanadas pelos Tribunais Eleitorais), bem como da demonstração (para as autoridades fiscais e fazendárias) da origem e destino dos recursos utilizados em seu trabalho.

Da mesma forma, são responsáveis pelos resultados obtidos pelas ações decorrentes de suas atividades profissionais, inclusive pelo conteúdo dos processos de comunicação que planejem, criem e executem.

 

  1. Defesa intransigente da liberdade de expressão

A liberdade de expressão, bem como a inexistência de qualquer tipo de censura prévia, controle social ou restrição à publica manifestação de opinião em qualquer meio ou plataforma de comunicação, é fundamento inamovível da democracia e do exercício ético de nossas atividades.

Fonte: ABCOP